Trânsito

50% dos motoristas brasileiros admitem usar celular ao volante

Conduzir um veículo com celular em mãos é infração gravíssima prevista no Código de Trânsito Brasileiro (CTB), pode render 7 pontos na carteira, multa de R$ 293,47 e aumentar significativamente a probabilidade de acidentes. Apesar disso, metade dos motoristas brasileiros admite fazer uso do dispositivo enquanto dirige.

Segundo pesquisa nacional realizada pela Arteris – uma das maiores companhias do setor de concessões de rodovias do Brasil, 51,9% dos motoristas brasileiros admitem dirigir com celular em mãos, ainda que raramente. O percentual é ainda mais expressivo para os motoristas com idade entre 18 e 21 anos e residentes da região sudeste do País.

Alguns segundos de distração ao digitar um número de telefone ou mensagem, por exemplo, a uma velocidade de pouco mais de 100km/h, pode levar um motorista a percorrer a distância equivalente a quatro campos de futebol totalmente às cegas.  O que parece algo inofensivo, um deslize simples, pode custar vidas.

Os acidentes de trânsito estão entre as principais causas externas de morte no Brasil e no mundo. A cada hora, 140 pessoas perdem a vida no trânsito segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS). “Os aparelhos de celular fazem parte da nossa realidade atualmente, mas, praticamente todos os aplicativos disponíveis hoje, podem ser programados ou iniciados antes de dar partida no veículo. Infelizmente, a pesquisa

indica que os motoristas brasileiros, mesmo cientes da legislação e do perigo, ignoram essa possibilidade e seguem adotando comportamentos de risco”, afirma Elvis Granzotti, gerente de Operações da Arteris.

Granzotti alerta que, nas saídas para feriados prolongados, o volume de veículos é maior, e motoristas, motociclistas, ciclistas e pedestres devem redobrar a atenção e assumir atitudes mais prudentes para a preservação de suas próprias vidas e das demais pessoas que trafegam ao seu redor.

A pesquisa foi realizada entre 15 e 27 de julho com 2.686 motoristas das cinco regiões do País, que responderam a um conjunto de perguntas sobre o seu próprio comportamento no trânsito. O levantamento retrata a distribuição no território nacional de condutores e a margem de erro é de 1,9%. No estudo, foram abordados quatro eixos de análise – uso do cinto de segurança, direção após o consumo de bebida alcoólica, desrespeito aos limites de velocidade e uso do celular ao volante. O único que apresentou melhoria em relação aos dados coletados no ano passado foi o índice sobre velocidade. Nesse ano, 59,3% dos entrevistados declararam sempre respeitar os limites estabelecidos, enquanto em 2016, o percentual foi de 51,3%. Para os demais eixos, não houve variação estatística significativa.